19 de setembro

GDF - Administrações Regionais GDF - Administrações Regionais
1/10/13 às 14h41 - Atualizado em 8/11/18 às 16h23

Disque acessibilidade

COMPARTILHAR

A pessoa com deficiência residente no Distrito Federal tem agora à disposição um canal exclusivo de comunicação com o governo – o Disque Acessibilidade. O serviço objetiva atender a demandas de barreiras físicas e discriminação, solucionando-as no menor tempo possível.

Localizada na Praça do Cidadão, na estação do metrô da 114 Sul, a Central funcionará de segunda a sexta, das 8 às 17 horas. Para efetuar uma reclamação, a pessoa deve ir ao local ou ligar para um dos três números disponibilizados (2104-1173 / 2104-1174 / 2104-1175). A partir da demanda, então, o órgão competente será acionado, para que possa atuar na resolução do caso.

A novidade promete facilitar o trabalho feito pelo GDF por meio do Plano Viver sem Limite, lançado este ano, sob a coordenação da Casa Civil da Governadoria e da Secretaria de Justiça (Sejus).

Com 35 projetos diversos, o Plano visa promover o exercício pleno e igualitário dos direitos das pessoas com deficiência. “A Central será importante para a gente desenvolver políticas públicas que estão sendo acordadas com o Governo Federal e entrarem em prática no DF por meio do Viver sem Limite”, reforçou Alírio Neto, secretário de Justiça.

Ainda de acordo com Alírio, o sistema permitirá obter informações sobre onde estão as barreiras visíveis ou invisíveis no Distrito Federal. “O intuito é direcionar as políticas públicas exatamente para a necessidade específica desse público”, completou.

Para a coordenadora do Viver sem Limite na Casa Civil, Jeanne Lina, iniciativas como o Disque Acessibilidade são motivo de orgulho. “É uma honra estar aqui e enxergar o fortalecimento de novos projetos para pessoas com deficiência no DF.”

O Disque Acessibilidade é um serviço da Sejus em parceria com outros órgãos e entidades do DF. A representante da Agência de Fiscalização (Agefis), Márcia Muniz, afirmou que o novo serviço será um “divisor de águas”. “As demandas das pessoas com deficiência ficavam dispersas em todos os órgãos. Agora, temos um lugar em que a pessoa pode ir e fazer a sua reclamação”, comemorou.

Com informações da Agência Brasília

Mapa do site Dúvidas frequentes Comunicar erros